Prova prática de digitação para Concursos Públicos

Alguns Concursos Públicos, como os do TRF (Tribunal Regional Federal) e TJ (Tribunal de Justiça), possuem duas fases, sendo a primeira composta de prova objetiva e a segunda de uma prova prática de digitação, que muitas vezes deixa os concurseiros em pânico.

Para esclarecer alguns pontos, bem como acalmar você que vai prestar algum desses concursos que possui a prova de digitação, preparamos esse artigo completo, onde você vai aprender:

  • Como é a prova de digitação para Concursos Públicos;
  • Mitos sobre a prova de Digitação;
  • Como treinar para a prova;
  • Textos de concursos anteriores para treinar.

Após esse artigo você estará ciente do que realmente é, e como se preparar para esse teste, portanto, leia atentamente cada tópico, faça download dos arquivos para treinamento e acesse as ferramentas que vamos indicar. Assim você estará totalmente preparado(a) para essa etapa do Concurso, que, acredite se quiser, é a etapa mais simples de todas.

A PROVA DE DIGITAÇÃO PARA CONCURSOS PÚBLICOS

A preparação para um Concurso Público é repleta de obstáculos e dificuldades, onde o concurseiro, para se sair bem, supera uma a uma até o grande dia da prova. Assim acontece com quem vai fazer a prova do TRF, por exemplo, estuda toda a parte teórica, faz a prova objetiva e consegue se classificar para a segunda fase. Acontece que durante a intensa preparação, os concurseiros tendem  não dar nenhuma atenção para o fato de que existe uma segunda etapa no concurso, e quando se classificam ficam preocupados, alguns até desesperados, por não haver antes procurado saber mais detalhes sobre a segunda etapa, e o mais importante treinado e se preparado para ela.

A prova de digitação é parte integrante do concurso do TRF e de alguns outros, principalmente de tribunais. Essa prova tem como finalidade única a eliminação dos candidatos desprovidos de coordenação motora. À primeira vista o termo eliminação pode assustar quem vai fazer a prova, mais na verdade o contexto da mesma é bem mais simples do que o adjetivo que a ela atribuem.

A segunda etapa desses concursos não é um bicho de sete cabeças e todos os que fizerem uma preparação correta e com antecedência, certamente serão classificados.

[emaillocker id=1965][/emaillocker]

Na prova do TJ/SP, por exemplo, o candidato terá 11 minutos para fazer o teste, onde deverá digitar um texto com cerca de 1800 caracteres contados os espaços. Já nos concursos do TRF a metodologia adotada é diferente, nele o candidato terá 6 minutos para fazer a prova e nele o candidato deverá digitar no mínimo 130 toques líquidos por minuto, em um total de 780 caracteres digitados em 6 minutos.

Em um primeiro momento esses números podem assustar, porém basta alguns dias de treinamento e você vai perceber que são testes extremamente fáceis e possiveis de fazer. Mais uma vez é importante ressaltar que para se sair bem em uma prova, seja ela objetiva ou prática é necessário que o candidato se prepare com antecedência, por esse motivo escrevemos esse artigo, para que você saiba por onde, como e o que treinar para a prova de digitação.

MITOS SOBRE A PROVA DE DIGITAÇÃO

 

Como sabemos a internet é imensa, e nessa imensidão encontramos muita coisa, inclusive alguns mitos sobre diversos assuntos. Como não poderia ser diferente, também existem alguns mitos sobre a prova de digitação em concursos públicos e todos eles sempre tem um mesmo objetivo, lhe assustar!

Fazendo uma rápida pesquisa, encontramos alguns concurseiros que já fizeram a prova de digitação e através deles trouxemos os seguintes mitos:

MITO 01 – Nota da prova Objetiva + prova prática = nota final

A nota da prova de digitação é apenas de caráter eliminatório, portanto não é somada à nota obtida da prova objetiva. Nessa etapa não importa se o candidato tira 5 ou 10, pois a nota servirá somente para o corte das pessoas que não estão aptas a exercer o cargo.

MITO 02 – A formatação do texto é obrigatória!

Na prova não é necessário formatar o texto, apenas digitá-lo;

MITO 03 – Não é possível corrigir o texto após a digitação

Pode-se voltar no texto e fazer a correção quantas vezes forem necessárias, desde que dentro do tempo estabelecido;

Temos que ficar atentos pois, o que digitar a mais ou a menos será considerado erro e acarretará na perda de pontos.

COMO TREINAR PARA A PROVA

Como afirmado acima, para que o candidato saia-se bem na prova prática ele deve treinar com antecedência e por esse motivo apresentamos uma ótima ferramenta que poderá ser útil em sua preparação.

10fastfingers (clique aqui para acessar) – Para usar essa ferramenta você não precisará fazer cadastro. Quando iniciar a digitação, automaticamente o cronometro iniciará usa contagem regressiva de 1 minuto. Ao final do teste você terá acesso a um relatório com informações como: palavras digitadas por minuto, palavras digitadas corretamente e erradas, além disso também é apresentada uma informação comparando o seu resultado com o de outras pessoas que realizaram o teste. 

Veja abaixo, imagens da ferramenta:

TEXTOS DE CONCURSOS ANTERIORES PARA VOCÊ TREINAR!

Conforme vimos nesse artigo, você que prestará algum concurso que tenha além da prova objetiva a prática de digitação não deve temer pelos mitos que são criados e espalhados pela internet e caso se prepare da maneira correta não terá problemas nessa etapa que é apenas eliminatória, para que apenas assumam o cargo aqueles que tenham as condições necessárias para tal.

Até a próxima!